RELATÓRIO E CONTAS 2016

Gestores

09 Rui Teixeira

QUE BALANÇO FAZ DE 2016? QUAIS FORAM OS MAIORES DESAFIOS?

2016 foi um ano desafiante para o Grupo EDP em geral e para a EDP Produção em particular. Foi um ano de elevada hidraulicidade, com preços de mercado inferiores ao previsto e onde os custos regulatórios tiveram um impacto significativo nos resultados. Assistimos à entrada em funcionamento dos projetos de Baixo Sabor e Salamonde II, à conclusão do projeto de Venda Nova III e ao avanço significativo do projeto de Foz Tua. Manteve-se uma significativa renovação geracional na empresa e conseguimos atingir uma maior eficiência ao nível operacional.

QUE FACTOS SE DESTACAM NAS DIFERENTES ÁREAS DE QUE É RESPONSÁVEL?

A conclusão do plano de investimento, estando atualmente apenas o projeto de Foz Tua em construção. Continuámos o desenvolvimento da estratégia de O&M,com a implementação de pilotos em três centrais, que permitirá uma melhor gestão dos ativos. Implementámos a metodologia de Orçamento Base Zero (OBZ), que permitiu definir um objetivo ambicioso de poupança face aos valores que constavam no Plano de Negócios para 2017. Celebrámos os 10 anos de implementação do Lean na EDP Produção e avançámos na digitalização das operações.

Construímos a primeira central solar fotovoltaico flutuante da Europa em albufeiras de aproveitamentos hidroelétricos, na barragem do Alto Rabagão, em parceria com a EDP Comercial e a EDP Renováveis.

Com a renovação geracional nomeámos 26 novas posições de chefia e lançámos a Fase I da plataforma LINK para a Gestão do Conhecimento, em colaboração com a Universidade EDP.

Na área da sustentabilidade, a EDP assumiu a co-liderança na iniciativa Internacional Low Carbon Technology Partnership Iniciative (LCTPI), do WBCSD, dando prioridade à promoção de Corporate PPAs como uma alavanca para acelerar mais investimento em energias renováveis.

Por último, considero importante referir a assinatura no final do ano de um Memorando de Entendimento com o Estado Português, para a revogação do AH Alvito e suspensão do AH Fridão por 3 anos.

QUAIS SÃO AS PRIORIDADES PARA 2017 DAS SUAS ÁREAS?

Arrancámos um programa de Segurança Baseado em Comportamentos, estruturado ao longo de 2 anos e que abrangerá todos na EDP Produção, tendo como objetivo consolidar uma cultura de “Zero Acidentes”, e continuaremos com a renovação geracional dando novas oportunidades de evolução profissional e desenvolvendo o conhecimento na organização.

Concluir o projecto de Foz Tua, consolidar a implementação da metodologia OBZ e arrancar o roll-out da estratégia de O&M nas restantes centrais hídricas e de ciclo combinado, tendo como um dos maiores desafios a alteração de foco da empresa, com a finalização dos grandes projetos de investimento, para passar a ser um gestor de ativos da maior eficiência.

A conclusão dos CMEC em junho de 2017 alterará o perfil de risco da empresa, reforçando a importância da mitigação de risco de venda em mercado. Será também o ano de negociação e fixação do montante da revisibilidade final dos CMEC.

Ainda em 2017, queremos reforçar o nosso posicionamento enquanto empresa promotora de estilos de vida mais sustentáveis e defensora da descarbonização da economia, através de mais eficiência, electrificação do consumo e investimento em renováveis.

© EDP 2017